Ighor Albuquerque

Idade: 20 anos
Instrumento: Contrabaixo

Meu nome é Ighor Albuquerque da Silva moro no Leme eu minha irmã Winnie, meu pai Sergio e minha mãe Denise, mas não é pelo fato de morarmos no leme que somos ricos, as coisas são na medida logo desde pequeno não sobrava dinheiro para pagar uma aula de música pra mim e nem me contratar um professor particular muito menos um instrumento, por isso só fui conhecer a música mais tarde com 13 anos . Foi ai que eu comecei a correr atrás de uma aula de graça de música. Depois de um bom tempo procurando eu me deparei com o Projeto Ação Social Pela Música no Brasil que me ofereceu instrumento e professores ótimos para estudar de graça. O momento de escolher o instrumento foi o melhor, não tive duvidas do que eu queria tocar, pois quando eu vi o meu professor tocando um Blues no Bass eu entrei em transe. Toco e estudo música no Villa Lobos, toco também na OFBHI ( Orquestra Filarmônica Brasileira do Humanismo Ikeda ) uma orquesta do budismo, no NDO ( Núcleo de desenvolvimento em orquestra) Também do budismo Nitirem o qual pratico, fiz parte do Projeto Ação Social Pela Música no Brasil por 7 anos e foi lá onde eu tive o primeiro contado com a música e a sorte de conhecer a Camerata Laranjeiras. Meu professor Alexandre Brasil convidou eu e meu companheiro de Bass Murilo Vieira (Meu irmãozinho), a fazer parte de um Projeto Humanista (é assim que preferimos nos referir) a Camerata Laranjeira, que tem como objetivo levar a música para todo o mundo de um jeito diferente com um repertório bem eclético e uma orquestra bem mista.

A Camerata Laranjeiras entrou de uma maneira bem emocionante na minha vida , porque normalmente nos tocamos em grupos que são compostos de partituras e músicos, mas não de sentimentos e alegria. O diferencial que me chamou atenção na Camerata foi isso, a vontade com que nós tocamos a energia e passarmos o que sentimos para todas as pessoas que nos assistem.

Eu só tenho a agradecer a Karolin, Tiago e Kaja por terem me dado essa oportunidade de crescer em um grupo tão… Camerata Laranjeiras!

Eu como um jovem tenho meus sonhos mas com um pouquinho de realismo. Eu sonho em fazer algo em prol da Humanidade sabe? Algo para fazer a diferença nesse mundo e ao mesmo tempo que me faça feliz também, e pela música eu percebi que isso é possível. Levar a música para todas as pessoas é muito gratificante, não há dinheiro que pague isso, ver a emoção no rosto do público.